quinta-feira, 11 de março de 2010

Atlético de Madrid - 3 / Sporting - 6 (1948): 6 golos do lendário "Necas"!

Jesus Correia foi um dos míticos futebolistas leoninos constituintes do quinteto fantástico de avançados do Sporting que ficou imortalizado na História leonina e do futebol português pelos "Cinco Violinos". Como corolário das extraordinárias qualidades evidenciadas por Jesus Correia, quer como futebolista, quer como hoquista de nível internacional, e em face dos muitos títulos conquistados naquelas duas modalidades, Jesus Correia teve muitas tardes de glória e participou em inúmeros jogos memoráveis nos quais foi, muitas vezes, um dos principais protagonistas.
A propósito do confronto de hoje, opondo o Atlético de Madrid e o Sporting, a contar para a 1ª mão dos oitavos-de-final da Liga Europa, recordamos, hoje, um desses jogos históricos, no qual o popular "Necas" (apelido pelo qual ficou carinhosamente conhecido) foi a "estrela" da partida. Estamos a referir-nos, precisamente, a um jogo particular, realizado a 5 de Setembro de 1948, no antigo Estádio da equipa madrilena chamado Metropolitano, no qual o Sporting venceu o Atlético de Madrid por 6-3, tendo Jesus Correia apontado os 6 golos da equipa leonina! Acrescente-se que o Atlético de Madrid já não perdia no seu estádio há ano e meio!
Fazemos votos para que este jogo possa servir de inspiração e de motivação para todos os sportinguistas e, em particular, para a equipa leonina que hoje, passados 62 anos daquele jogo histórico, defronta novamente o Atlético de Madrid, não no Estádio Metropolitano, mas no Estádio Vicente Calderon (inaugurado em 1966).
Força Leão, mostra a tua juba e as tuas garras! Estamos todos contigo! Viva o Sporting! 

3 comentários:

Neco disse...

Tão bom a jogar futebol como a jogar hoquei.

Vila Baleira disse...

Um malabarista do hoquei.

Dingo disse...

Talvez o jogador 'multi-modalidades' mais complete que Portugal produziu.

P.S. — Não quiz usar a palavar "atleta", porque em muitos casos, refere-se à força e vigor físico. No caso do Jesus Correia, tinha mais a ver com o talento que ele possuía.