sexta-feira, 5 de março de 2010

Belenenses - 2 / Sporting - 2 (1954/55): O "derby" mais triste da história do clube da "Cruz de Cristo" e de João Martins

Os jogos "Belenenses-Sporting" ou "Sporting-Belenenses" constituem, pela sua grandeza, importância e antiguidade históricas, um dos maiores "derbies" do futebol português e, em particular, da cidade de Lisboa, tendo muitos dos confrontos, entre o clube do Restelo e o clube de Alvalade, ficado na História do Campeonato Nacional da 1ª Divisão.
A propósito da partida "Belenenses-Sporting" do próximo domingo (7 de Março), o Armazém Leonino recorda hoje, precisamente, um desses "derbies" históricos e memoráveis, que entrou para a História do futebol português, por diversas razões, as quais passamos a descrever.

Vista panorâmica do bonito Estádio do Restelo (inaugurado em Setembro de 1956)
com a bela paisagem de fundo (Rio Tejo) a enquadrar o magnífico recinto belenense.

A 24 de Abril de 1955, no antigo Campo das Salésias (recinto do Belenenses que antecedeu o Estádio do Restelo, inaugurado em Setembro de 1956), o Belenenses recebia o Sporting em jogo a contar para a última jornada (26ª) do Campeonato Nacional da época de 1954/55. Quis o destino que ficasse reservada para essa última jornada do campeonato a decisão relativa ao campeão nacional dessa época. O Belenenses e o Benfica lutavam, "palmo a palmo", pelo título nacional, e à entrada para a última jornada, o Belenenses tinha 1 ponto de vantagem sobre o Benfica.
A cerca de 5 minutos do final do encontro, o Belenenses vencia o Sporting por 2-1 e, como tal, estava prestes a sagrar-se campeão nacional. Quando os milhares de adeptos do clube da "Cruz de Cristo" já festejavam nas bancadas a conquista do título, o avançado leonino João Martins marca o golo do empate, aos 86 minutos de jogo, destruindo o sonho do título das gentes de Belém que não queriam acreditar no que estava a acontecer. A alegria dava lugar ao desespero! O sonho transformava-se em pesadelo!
Com efeito, com a vitória do Benfica sobre o Atlético por 3-0, no Estádio da Luz e com o empate (2-2) verificado nas Salésias, Benfica e Belenenses chegavam ao final do campeonato com os mesmos pontos (39), mas como o Benfica possuía vantagem no confronto directo com o clube do Restelo, o clube das "águias" sagrava-se campeão nacional.
Rezam as crónicas da época, que João Martins, logo a seguir a ter apontado o golo do empate, abeirou-se do guarda-redes belenense, José Pereira, e pediu-lhe desculpa emocionado, começando a chorar e não conseguindo conter a emoção e a tristeza que lhe ia na alma por ter causado tamanha infelicidade e tão grande desgosto na família belenense que via, de forma inglória e dolorosa, fugir-lhe o título a 4 minutos do final da partida.
No final do dramático encontro para os jogadores do clube do Restelo, João Martins, inconsolável, associava-se à dor e à infelicidade vivida pelos jogadores do belenenses. Com esta atitude, João Martins mostrava, por um lado, a lealdade e sentido de profissionalismo relativamente ao emblema que envergava e, por outro lado, o seu elevado espírito desportivo verdadeiramente invulgar e digno dos maiores elogios e louvores.

João Martins, o "6º violino" e uma das lendas do futebol leonino.

O gesto e a atitude nobres reveladas por João Martins neste episódio, demonstram bem as suas qualidades humanas fora do comum e simbolizam o comportamento exemplar de que sempre deu mostras, dentro e fora do campo, ao longo da sua carreira. Para premiar o seu exemplar "fair-play" desportivo e pelo facto de, ao longo da sua carreira, nunca ter sofrido um único castigo, João Martins viria a ser agraciado com a medalha de exemplar comportamento pela Federação Portuguesa de Futebol.
Este é o 4º artigo (depois dos anteriores de 22/1/2009, 10/8/2009 e 19/1/2010) em que o Armazém Leonino faz referência a João Martins, na verdade, um dos futebolistas e atletas da História do Sporting, por quem temos maior admiração, estima, respeito e carinho.
Para a história, aqui deixamos a constituição da equipa leonina que alinhou neste célebre jogo das Salésias: Carlos Gomes; Caldeira e Galaz; Barros, Passos e Juca; Hugo, Travaços, Mokuna, João Martins e Albano.
Albano e João Martins foram os autores dos golos do Sporting. Com o empate (2-2), o Sporting terminava o campeonato no 3º lugar, com 37 pontos, menos 2 que os seus rivais lisboetas.

8 comentários:

Manel disse...

era melhor termos perdido e dar o campeonato ao Belenenses...

Vtitor Ferreira disse...

o belenenses tb na altura era um grande rival.

ALEXANDRE disse...

Aliás, mesmo que o Sporting tivesse vencido o jogo, só seria campeão, em caso de derrota do Benfica com o Atlético, o que convenhamos era muito difícil de acontecer.
Mas, de facto, o Belenenses merecia ter sido campeão. Foi um dia de azar para o clube do Restelo.

Davidinho disse...

João Martins fez aquilo que lhe competia , marcar golos. E ele fez muitos e deu muitas vitórias ao nosso clube. A mentalidade do nosso clube na altura era ganhar , ganhar e ganhar. Não se contentavam com 2ºs ou 3ºs lugares...

Joao.Bom disse...

Pois é, o "quase" 2º título do Belém, segundo o meu avô (muito benfiquista mas essencialmente desportista com quem tambem aprendi a ver futebol), já se ouviam foguetes nas Silésias e tudo!

Amigo do Restelo disse...

Também acho ó Manel.
Mais um para o Belenenses e menoa um para o Benfica.
Assim sendo o Sporting estaria a 8 campeonatos e não aos actuais 9 de diferença.

Anónimo disse...

Sou um adepto do Belenenses e nasci a ouvir essa história do meu Pai. Foi um marco que mudou a história do Belenenses...e a do Benfica. Se o Belenenses tivesse sidi campeão, fechava-se um ciclo de 10 anos com 7 campeonatos do vosso clube, 2 do Belenenses... e um do benfica. Esta era a época em que os grandes clubes inauguravam os novos estádios (Restelo, Luz, Antas, Alvalade) e falhar/ganhar um título era fundamental. Talvez tivesse sido o benfica a ir-se abaixo, em vez do Belenenses. Ou não...é só um exercício especulativo.

Mas não quero mal ao Martins ou aos outros jogadores do Sporting por isso. Fizeram o que deviam. Detestaria que tivéssemos sido campeões com ajudas.

...mas já agora, podia não ter havido desajudas. Ao Belenenses foram invalidados 3 golos nesse jogo, dois limpos, e assinalado um penalty contra duvidoso. O vosso Carlos Gomes (grande guarda-redes, dizem todos os que viram!) reconheceu que um dos golos não validados, a bola esteve bem dentro da baliza. Enfim, o sistema benfiquista era forte...

Obrigado pelo tom respeitoso com que falaram do Belenenses. Parabéns também por este blog. Acho interessantes e valiosos todos os contributos para a história do desporto Português.

ALEXANDRE disse...

Caro amigo. Agradeço as suas amáveis palavras e os elogios a este modesto blogue. Todas as opiniões e informações são úteis e importantes para irmos conhecendo e aprofundando cada vez mais os nossos conhecimentos sobre a rica e apaixonante história do futebol português. Um abraço e saudações desportivas.