sexta-feira, 19 de junho de 2009

Rui Mendes (Homenagem)


A varanda de Pilatos (ou Balada do Caso Very Light)

Vinha Rui Mendes em Festa
Num bilhete que ele trazia
Uma Gente que não presta
Deu-lhe a morte nesse dia

A varanda de Pilatos
É na Praça da Alegria
Visto isso mais os actos
Ninguém faz da noite dia

Ninguém faz obrigação
Todos fogem dos sarilhos
Há que saber dar a mão
Às mãos frias dos filhos

Ninguém faz o seu dever
Ninguém segue o preceito
As lágrimas duma mulher
Não cabem dentro do peito

Por duas vezes negada
A razão de uma sentença
Eles fingem que não é nada
E dormem na indiferença

Fizeram os jogadores
Das camisolas um leilão
Vieram logo os senhores
À procura duma posição

Como se esta simpatia
Trazida pelos jogadores
Tivesse nascido um dia
Na cabeça dos doutores

Rui já morreu três vezes
Não é uma ideia confusa
Uma viram os portugueses
As outras em cada recusa

Nenhum dinheiro fazia
Um preço da sua vida
Mas na Praça da Alegria
O zero é regra e medida

E assinam os contratos
No meio duma euforia
A varanda de Pilatos
É na Praça da Alegria



O Armazém Leonino associa-se ao amigo José do Carmo Francisco, que nos enviou este texto e bilhete, e presta esta pequena homenagem à família do falecido Rui Mendes, que infelizmente todos nós conhecemos a razão da sua morte. Paz à sua alma onde quer que esteja.

7 comentários:

Leão revoltado disse...

Aqui podem ver um resumo muito bem feito que retrata tudo o que se passou nesse jogo, inclusive o criminoso atentado realizado.
http://www.sporting.footballhome.net/index.php?option=com_seyret&task=videodirectlink&Itemid=29&id=284

Nota: Também estava presente nesse jogo e na mesma bancada que o Rui. Estava a uns 30 degraus acima da zona onde foi parar o very light.
Podia ter acontecido a qualquer um dos presentes...

Hugo Malcato disse...

Este será provavelmente um dos episódios mais vergonhosos do futebol português.

Não estive no jogo, mas tinha lá o meu irmão e o meu primo. Na altura não haviam telemóveis nem nada. Imaginem o pânico que não foi, para toda a gente que tinha família no estádio.

Paz e Alma para Rui Mendes

PB disse...

ja vos adicionei ao meu blog

abraços

sloct disse...

Um grande abraço ao José do Carmo. Já lho disse pessoalmente, este poema é notável, e quem esteve no estádio compreende-o muito melhor.

RFM disse...

Teria a familia recebido alguma indeminização desta morte?!
Ouvi tanta desculpa e atirarem bolas (FPF-SLB) para canto durante anos que nem cheguei a saber se receberam e quanto.

Anónimo disse...

Receberam em segredo no ano de 2004 os 30 mil contos da decisão do Tribunal de Oeiras mas nada paga uma vida. a)JCF

Davidinho disse...

Hugo Malcato ,

Senti exactamente o mesmo. Tinha lá o meu Pai e o meu Irmão..